SALESIANOS COOPERADORES

UM VASTO MOVIMENTO DE PESSOAS PARA SALVAÇÃO DA JUVENTUDE.

igreja

Ano de São José

  • 19/02/2021

  • 10:45


São José, “Humilde carpinteiro (cf. Mt 13, 55), desposado com Maria (cf. Mt 1, 18; Lc 1, 27); um «homem justo» (Mt 1, 19), sempre pronto a cumprir a vontade de Deus manifestada na sua Lei”. É assim que o Papa Francisco descreve José e nos convida a refletir um pouco mais sobre esse santo. Para comemorar os 150 anos da proclamação de São José como guardião universal da igreja, pelo Papa Pio IX, o Santo Padre convocou o “Ano de São José” de 8 de dezembro de 2020 até a mesma data de 2021. 

A convocação foi feita por meio da carta apostólica Patris Corde “Coração de Pai”, onde Francisco descreve amorosamente o pai adotivo de Jesus. 


O acolhimento de São José

É preciso falar sobre o Sim de São José. O humilde carpinteiro não hesitou em obedecer a Deus que fala com ele através de um anjo em sonho. Ele acolhe Maria, grávida do Espirito Santo,  e vai com ela para o Egito, para fugir da fúria de Herodes. José faz o verdadeiro papel de pai que protege e salva a sua família.

Mas infelizmente nem todo mundo tem a chance de ter um pai presente como José. Ao se confrontar com a realidade brasileira, os dados são alarmantes. No total, mais de 5,5 milhões de adultos não tem o nome do pai na certidão de nascimento. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 12 milhões de mães chefiam lares sozinhas, sem o apoio dos pais. Destas, mais de 57% vivem abaixo da linha da pobreza.

Tão importante quanto falar sobre a paternidade é falar sobre a paternidade com responsabilidade, afinal “Não se nasce pai, torna-se tal”. Com essa frase, Francisco nos convida a refletir sobre a paternidade e a importância de São José para Jesus e consequentemente para a igreja. Segundo Francisco, Ser pai significa introduzir o filho na experiência da vida, na realidade. Não segurá-lo, nem prendê-lo, nem subjugá-lo, mas torná-lo capaz de opções, de liberdade, de partir. São José acolhe sem exercer o sentimento de posse já que sempre soube que aquele menino não lhe pertencia. A exemplo de José, a paternidade deve ser libertadora e plenamente realizada quando o filho se torna capaz de caminhar sozinho e feliz.


O ano de São José na Pandemia

O ano de São José vem justamente em um momento de muita dificuldade enfrentada por pessoas do mundo todo por conta da pandemia do corona vírus. Para o padre salesiano Maurício Miranda, “as características que o Santo Padre recorda do perfil de São José – amabilidade, ternura, obediência, acolhimento, coragem criativa, espírito trabalhador e sua humildade no escondimento – são modelos de virtudes que precisamos exercitar se quisermos responder aos grandes desafios que brotam desse tempo de pandemia que atravessamos”.

Outra lição importante da carta do Papa Francisco sobre o ano de São José é a necessidade de se olhar para as pessoas habitualmente esquecidas, mas que hoje exercem serviços considerados essenciais. Médicos, enfermeiras e enfermeiros, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, curadores, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas... e outros tantos trabalhadores não puderam se isolar em casa. Muitos cuidaram para que não faltassem insumos, alimentos e cuidado ao próximo. Para o Pe. Maurício esse é o ponto mais tocante do texto: “São José lembra-nos que todos aqueles que estão, aparentemente, escondidos ou em segundo plano, têm um protagonismo sem paralelo na história da salvação”. Cada um de nós, não somente pode, mas deve, portanto, se perguntar sobre como é chamado a contribuir com a situação que atravessamos. E, nessa contribuição, poderá contar com a especial proteção de São José." 

É tempo de readaptar hábitos e repensar a importância de pequenos gestos do dia a dia. Para isso é possível encontrar em São José – o homem que passa despercebido, o homem da presença quotidiana discreta e escondida – um intercessor, um amparo e uma guia nos momentos de dificuldade. Momentos esses também provocados pela falta de emprego e oportunidade em meio a grande crise causada por esse vírus. Atualmente cerca de 14 milhões de pessoas estão desempregadas no Brasil segundo o IBGE. 

Papa Francisco recorda que a principal característica de São José, sempre evidenciada pelos evangelistas é a relação com  o trabalho. “São José era um carpinteiro que trabalhou honestamente para garantir o sustento da sua família. Com ele, Jesus aprendeu o valor, a dignidade e a alegria do que significa comer o pão fruto do próprio trabalho”. Sem trabalho não há dignidade, por issoPpapa Francisco faz um apelo por mais empenho para que se possa dizer: “nenhuma pessoa, nenhuma família sem trabalho!”. Nesse sentido, São José é patrono e exemplo.


Migração e vulnerabilidade


Em meio a crise econômica e desemprego, também é preciso falar sobre os nossos irmãos migrantes, pobres e vulneráveis. Papa Francisco recorda que o próprio Jesus foi desde o nascimento um imigrante em terra desconhecida. “O Evangelho não dá informações relativas ao tempo que Maria, José e o Menino permaneceram no Egito. Mas certamente tiveram de comer, encontrar uma casa, um emprego (...) A Sagrada Família teve que enfrentar problemas concretos, como todas as outras famílias, como muitos dos nossos irmãos migrantes que ainda hoje arriscam a vida acossados pelas desventuras e a fome”. Por isso, São José é tradicionalmente um protetor e padroeiro dos migrantes. 


Aprendizado e oração

Ao final da carta apostólica, Papa Francisco deixa claro que o objetivo do documento é aumentar o amor por São José. E como é preciso conhecer para amar, pode-se dizer que o ano especial do Santo deve ser de grande aprendizado. “À semelhança de Jesus que disse: «Aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração» (Mt 11, 29), também os Santos são exemplos de vida que havemos de imitar”. Papa Francisco encerra fazendo um convite a todos os fieis que possam imitar e rezar a São José para a própria conversão.


Salve, guardião do Redentor

e esposo da Virgem Maria!

A vós, Deus confiou o seu Filho;

em vós, Maria depositou a sua confiança;

convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José, mostrai-vos pai também para nós

e guiai-nos no caminho da vida.

Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,

e defendei-nos de todo o mal. Amém.


SC Bárbara Bressan Belan